Portal do Léo - Letras de Músicas





Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, Portuguese, Animais



Histórico
 01/07/2012 a 07/07/2012
 17/06/2012 a 23/06/2012
 03/06/2012 a 09/06/2012
 20/05/2012 a 26/05/2012
 13/05/2012 a 19/05/2012
 06/05/2012 a 12/05/2012
 22/04/2012 a 28/04/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 01/04/2012 a 07/04/2012
 25/03/2012 a 31/03/2012
 11/03/2012 a 17/03/2012
 04/03/2012 a 10/03/2012
 26/02/2012 a 03/03/2012
 12/02/2012 a 18/02/2012
 05/02/2012 a 11/02/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 22/01/2012 a 28/01/2012
 15/01/2012 a 21/01/2012
 08/01/2012 a 14/01/2012
 01/01/2012 a 07/01/2012
 25/12/2011 a 31/12/2011
 18/12/2011 a 24/12/2011
 11/12/2011 a 17/12/2011
 04/12/2011 a 10/12/2011
 27/11/2011 a 03/12/2011
 20/11/2011 a 26/11/2011
 13/11/2011 a 19/11/2011
 06/11/2011 a 12/11/2011
 30/10/2011 a 05/11/2011
 23/10/2011 a 29/10/2011
 16/10/2011 a 22/10/2011
 09/10/2011 a 15/10/2011
 02/10/2011 a 08/10/2011
 25/09/2011 a 01/10/2011
 18/09/2011 a 24/09/2011
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 21/08/2011 a 27/08/2011
 14/08/2011 a 20/08/2011
 07/08/2011 a 13/08/2011
 31/07/2011 a 06/08/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 17/07/2011 a 23/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 26/06/2011 a 02/07/2011
 19/06/2011 a 25/06/2011
 12/06/2011 a 18/06/2011
 05/06/2011 a 11/06/2011


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
 
Adote um Gatinho


Mais um final feliz =D

Estamos muito felizes com o Luigi e a Pepita. Eles trouxeram um novo astral para minha casa.

Em Dezembro de 2010, meu gato que estava conosco há quase 15 anos, faleceu depois de adquirir uma insuficiente renal, q tratamos por 6 meses. O outro já havia falecido com 7 anos. Com isso, eu sentia muito a necessidade de ter um outro animal de estimação em casa. Meu marido não queria nem pensar no assunto pois ainda estava muito triste mas meus filhos estavam pedindo muito para que trouxéssemos um novo bichinho pra casa.

Quando resolvi conhecer o “adote”, eu fui com uma amiga que me indicou e levei as crianças. O que foi interessante na visita, é que eu queria dois machinhos, e chegando lá, a minha filha e a Pepita se “adotaram”. Desde o primeiro momento que ela chegou ao abrigo, ficou apaixonada pela Pepita. Até tentei mostrar outros que também estavam para adoção, ficamos mais de uma hora brincando com eles, mas não adianta. Quando tem a empatia, difícil não acontecer a adoção.

Com o meu filho foi a mesma coisa. Ele sentou no chão e o Luigi foi se chegando nele, subiu no colo e praticamente dormiu no colo dele. Ai não teve jeito!!! E ficamos mais felizes por saber que eles eram irmãos. Conclusão, vieram os dois!

 

Na semana q ia ocorrer a visita na minha casa, a minha filha estava muito ansiosa, não via a hora da Juliana chegar, de falar q estava tudo bem e que podíamos ficar com eles. Foi bom pq faltava a colocação de uma tela e minha filha ajudou meu marido a comprar e colocar, de tanta ansiedade para que tudo ficasse pronto.

Ainda bem q deu tudo certo. Hoje, quase 2 meses depois, os dois gatinhos tem as características de personalidade dos meus filhos,rss. O Luigi é muito parecido com meu filho, e a Pepita é igualzinha a minha filha...Brincamos muito todos os dias, de esconder, de bola, de pega-pega. Eles entendem as brincadeiras, como se fossem crianças. Os dois brincam muito, rolam, entram no jardim q tenho no quintal, jogam bolinhas q ficam espalhadas para eles, e a medida que vão crescendo, descobrem lugares novos na casa. Eu e meu marido estamos muito felizes. Para ele são como bebês, ficam no colo, e o carinho que eles tem por nós é uma delicia. Os meus filhos estão aprendendo a ter responsabilidades de cuidar de alguém, o que tem sido maravilhoso para a vida deles. Obrigada a vocês e pelo lindo trabalho que vocês fazem.

Um grande beijo a todos e que Deus ilumine sempre vcs para que mais famílias possam ter a mesma felicidade que nós tivemos!



Escrito por Luisa às 12h19
[ ] [ envie esta mensagem ]



CARTA DA AMELIE E DA AMAPOULA

Essa cartinha é tão, mas tão fofa! A Carol já tinha uma gatinha, a Amélie, resgatada das ruas. Mas, sabendo que gatos amam companhia, a Carol decidiu aumentar a família, e procurou o AUG para adotar uma amiguinha para a Amélie. A decisão não poderia ter sido mais acertada, e hoje, Amélie e Amapoula são melhores amigas! Quem conta essa história super bacana é a própria Amélie, confiram!

"Olha, faz muito tempo que eu ouço a mamãe comentar: “Preciso escrever uma carta para a Adote um Gatinho...”, mas a minha irmã aqui nem tchuns.... Então, mesmo que vocês não me conheçam, eu decidi escrever e acabar com essa pendência! 

Muito prazer, meu nome é Amélie (como uma moça fofa de um filme francês que a minha mãe adora!). Sou uma linda gatona preta. Linda agora, né? Porque quando a minha avó Cleide me achou assustada, encolhida, numa rua muito movimentada, eu tinha tomado uma mordidona de um cachorro nas costas onde havia uma bola de pûs, tinha medo de todos, estava faminta, sedenta e com um fungo me arrancando o couro! Eu estava horrível!!!! Minha vó perguntou para o moço da mecânica onde eu me encostava no portão se eu era de alguém, e ele disse que era uma favor se ela me levasse. A Tati, prima da minha dona, é veterinária, e quando me viu, disse que ia fazer o que podia, tal era meu estado de piedade. Então minha vó ligou pra minha mãe (o nome dela é Carol!) e perguntou se ela queria uma gatinha preta estrupiada (minha vó tem a Julieta, uma siamesa super ciumenta que adoece e faz muito “Fuuuu!” se aparece outro gato perto). E minha mãe aceitou, meio com medo, pois ela morava sozinha há um tempo, mas com amor. Porém a condição era que minha avó cuidasse de mim no começo, pois tinha muito curativo pra fazer e remédio pra tomar e minha mãe estava enlouquecida com uma coisa que chamava TFG (não sei o que é, mas parece coisa de louco!). Minha vó topou e, pra resumir a história, fiquei 4 meses na casa da vó que tinha quintal e eu não ficava muito em sofá pra ser mais fácil cuidar do fungo. Fiquei boa e fui então pro apartamento da minha mãe. 

Nossa! Estranhei! Cade meu quintal? Minha terrinha? Minha árvore de escalada? Nem aquela mal humorada da Julieta eu tinha mais! Eu fiquei assustada e triste. Quando minha mãe tinha que sair, eu a olhava com uma tristeza! Não queria ficar sozinha!!!! Minha mãe saía de coração partido! Uma amiga da minha mãe, a Natali (que eu não conheço, mas que, além de ótima fotógrafa de bichos, é mãe de 4 gatuchos), disse que o melhor seria que minha mãe arranjasse uma irmãzinha pra mim. E, depois de mais um dia vendo meus olhos tristes ao sair pela porta, ela aceitou. Achou que eu iria gostar, pois quando eu estava na casa da minha avó, eu tentei fazer amizade com a Julieta e até com a boxer Nina (que gostava mais de mim que a malvada siamesa!). Então escreveu para a Adote um Gatinho, que ela já conhecia e admirava, e contou a nossa história.

A Susan (ela é fofa, viu!) recomendou uma gatinha chamada Panqueca, e mandou a foto pra minha mãe que derreteu no mesmo instante. Minha mãe disse que sempre sonhou com uma gata tricolor, mas quando me viu e viu a frajolinha da Amapoula (ops, esse é o nome dela agora), ela derreteu! E lá foi fazer o enxoval da nova moradora da casa. Era dia 17 de julho de 2010 e eu tinha 7 meses quando minha irmãzinha chegou com 3 meses. Ela era tão pequenina! Mas um terror! Eu não sabia que ela iria chegar. A Susan veio trazê-la pessoalmente em casa. E você pensa que ela se intimidou? Nada! 

A minha mãe achando que a estrangeira ia ficar tristonha, se esconder, chorar... hahaha... A sapeca já foi pegando meu ratinho, minha bolinha, minha fita! Andou pela casa toda, cheirou, tudo, comeu minha comida! Olha que folgada!!!! Eu, no começo, estranhei sim! Ficava olhando de longe, cheirava e atacava ela, claro! Minha mãe nem deixou a gente dormir juntas na primeira noite! Mas no segundo dia, já fomos ficando mais amigas. Até ficamos sozinhas um pouco na casa e dormimos juntas. Quer dizer, não juntas, juntas, mas no mesmo ambiente. E o tempo passou e eu fui gostando dela. E a Amapoula gostando de mim. A gente divide caminha, colinho, brinquedo... ela é muiiito comilona, mas eu sou boazinha, não brigo por isso. Mas quando eu resolvo correr atrás dela, a gente bagunça a casa toda! Quando ela era menor que eu, ela se jogava no chão e queria aplicar em mim sua tática de solo de jiu-jitsu. Minha mãe adorava ver a estratégia que essa pequena usava para não perder a briga! Também nos divertimos muito quando descobrimos que a Amapoula é uma gata-cã. Vocês sabiam que isso existe? Tem foto pra provar!!! Nossa mãe joga uma bolinha, um ratinho, qualquer coisa longe, a Amapoula sai correndo, pega com a boca e traz para a Carol jogar de novo!!! Hahahaha....

Mas depois que a gente já estava feliz, sabe o que aconteceu? O fungo voltou em mim. Minha mãe ficou desesperada! Mas ela mesma cuidou da gente. A gente tinha que tomar banho com shampoo e condicionador toda semana! Credo! A gente odiava (tô falando “a gente” porque por prevenção a Amapoula também teve que tomar banho!) Mas ainda bem que eu consegui ficar boa.

Hoje eu e ela somos grandonas, peludas, brilhantes. E somos muito carinhosas! Duvida? Olha a foto em que a Clara e o Pedro vieram nos visitar! A gente brincou tanto! E não teve nada dessa história de fazer mal pra criança! Como não tem nada dessa história de que gato preto dá azar... quanta bobagem, né? Por que é que tem humanos que inventam essas coisas? Nossa mãe ama a gente e disse que tem muita sorte de nos ter em casa (ela fica brava quando a gente apronta, mas quando a gente vai no colinho e dá lambidinhas passa! Bom, a Amapoula, folgada, está aqui dormindo. Manda preguiçosas lambidas para vocês aí e agradece muito que vocês a tenham acolhido e principalmente trazido ela para cá. Mas acho eu quem agradeço mais! Afinal, ganhei uma irmã que vive comigo, minha amiga, companheira, parceira de brincadeiras, quentinha e tão carinhosa!

Obrigada a todos vocês, pois eu seria mais triste se ela não fizesse bagunça aqui comigo! Lambidas pra vocês também! 

Amélie!"

 

 

 

 



Escrito por Yumi às 12h16
[ ] [ envie esta mensagem ]



A GATINHA DA SEMANA PEDE ATENÇÃO - AGATHA!

“Oi, Tias, eu sou a Agatha, a gata mais fofa do mundo! Acho que a maioria de vocês já me conhece, né?! Da página de gatinhos para Adoção e da de Apadrinhamento. Estou aqui hoje pedindo um minutinho da atenção de vocês, para que possa contar um pouquinho mais de mim.

 

Minha estorinha começou bem triste: fui abandonada na porta do abrigo do AUG, com cerca de 4 meses, uma barriga enorme de inchada e o rabinho necrosado. Passando por consulta, meu rabinho soltou na mão do veterinário, de tão ruim que já estava! Imagina só a dor, e há quanto tempo eu devia estar assim?! E eu não conseguia fazer pipi também, o que causava o inchaço em minha barriguinha.

 

Depois de muitos exames, a conclusão foi que eu devo ter levado uma pancada muito grande, o que fez com que perdesse a sensibilidade na parte traseira, região do ânus e vagina. Por conta disso, eu tenho incontinência urinária e, por vezes, intestinal. Mas faço as sujeirinhas direitinho na caixinha, tanto nº1, quanto nº2, viu?! Porém, por causa de minha insensibilidade lá na traseirinha, às vezes acabo deixando pedacinhos pelo meio do caminho... A Tia Angélica diz que é porque eu não tenho consciência de que não acabei tudo o que tinha de fazer antes de sair da caixinha. E, quando durmo profundamente, relaxo de vez o tal do sistema nervoso parassimpático, o que faz com que não consiga controlar minha bexiguinha, fazendo pipi durante o sono mesmo. Por conta disso, tenho de dormir em caminha forrada com tapetinho higiênico.

 

E também só posso comer ração especial, a Royal Canin Intestinal, porque tem baixo teor de proteínas, e controla meu probleminha de diarréia. Se eu comer   dela, não tenho problema algum, não há sujeira alguma. E, no geral, excluindo-se estes detalhezinhos de incontinência, minha saúde é ótima, saio bonita em todos os check ups!

 

A Tia Gisele, que é quem cuida de mim, diz com todas as letras que sou uma das gatas mais fofas que ela já conheceu, sem exagero algum. Meiga, doce, brincalhona, alegre, inteligente, arteira, carinhosa, tudibom! Adoro colo, me esfrego nas pernas, fico em pé nas patinhas traseiras para pedir carinho. E sou faladeira que só! Ouve-se bem meu miadinho quando estou muito empolgada na brincadeira - ou quando sou contrariada…*rs. Também sou incapaz de qualquer maldade, de atacar algum gato ou cão, nem fuuu faço. Gosto de tudo e de todos! Sempre tranquila e de bem com a vida. 

 

Também AMO ficar no quintal, tomando sol, correndo, pulando nas muretas, subindo e descendo as escadas, olhando o movimento na rua através das grades do portão ou das telas acima dos muros.

 

E fala se não sou linda demais?! Tantas cores numa gatinha só... :) Tenho pouco mais de 2 aninhos e estou só esperando uma casa para chamar de minha! Não é que eu não goste da casa da Tia Gi, nada disso! Tenho amiguinhos gatos e cachorros para brincar, ração especial, camas só minhas, o sol de que tanto gosto, meus brinquedinhos e muito, muito amor. Mas sei que mereço ainda mais, tipo uma casinha onde eu seja filha única, com toda a atenção só para mim; ou com um irmãozinho que também coma ração Intestinal, para não correr o risco de eu beliscar a ração dos outros, hehehe!

 

Também sei que não será fácil, pois sou uma daquelas gatinhas consideradas “especiais”, mas não perco a esperança!  Se respeitarem minhas limitações, serei a melhor companheira que alguém pode querer!

Pense com carinho em mim, tá?!
;)

Lambidinhas,

Agatha."

Com Loretta, quando ela ainda era um pingo de gato!

Eu e Bob, amigão, tirando um cochilo.

Adoro Natal!

Tentando arrancar o rabinho do rato novo!

Abraçada à minha bonequinha preferida.

Quase camuflada!

Dá prá acreditar na cor de meus olhos?!

Em uma de minhas caminhas forrada com tapete higiênico, em sono profundo...



Escrito por Gisele às 09h23
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]


 
 


© Adote um Gatinho - 2003/2006 - Todos os Direitos Reservados
Portal do Léo - Letras de Músicas